Home   |   Structure   |   Research   |   Resources   |   Members   |   Training   |   Activities   |   Contact

EN | PT

PEAPL2_Timor

 

Metodologia

 

Recolha

Todos os dados foram recolhidos em Díli.

 

A recolha do Corpus foi realizada em duas fases:

Fase 1: entre fevereiro e abril de 2015

Fase 2: setembro e outubro de 2017

 

Dados

O Corpus contém dados de dois tipos:

(i) Textos escritos

(ii) Informações sobre o perfil sociolinguístico dos informantes

 

Textos escritos

Cada produção escrita foi obtida a partir de um estímulo.

Foram utilizados 5 estímulos, em cada uma das fases de recolha dos textos:

Estímulo 1: Fala daquilo que gostas de fazer nos tempos livres. Descreve essas atividades.

Estímulo 2: Descreve o local onde nasceste e o desenrolar da tua história de vida, narrando os acontecimentos mais importantes para ti, até hoje.

Estímulo 3: Certamente já tiveste oportunidade de contatar com pessoas de cultura diferente da tua. Fala de um episódio que te recorde esse momento, das dificuldades sentidas, das diferenças e semelhanças encontradas entre as duas culturas e das experiências que partilharam.

Estímulo 4: Fala da cidade onde moras. Diz se gostas dela e se achas que há coisas que podiam mudar para que fosse mais agradável lá viver.

Estímulo 5: Escreve um texto em que te apresentes, em que fales das tuas características físicas, da tua vida familiar, da tua casa, dos teus gostos e dos teus desejos. Se não quiseres falar de ti, podes falar de outra pessoa.

 

Convenções de transcrição

As convenções de transcrição baseiam-se nas categorias originalmente propostas por Leiria (2006: 181). Assim, ficaram registados, nos textos:

segmentos riscados

segmentos riscados ilegíveis

segmentos acrescentados

leituras conjeturadas

Ocultaram-se, ainda, os nomes próprios e outros elementos passíveis de permitir a reconstituição da identificação do informante com recurso à notação: XXX.

 

Codificação dos textos recolhidos

A codificação dos textos recolhidos inclui informação sobre:

(i) a(s) línguas(s) materna(s) dos informantes

(ii) o nível de ensino de cada um dos informante:

Básico: EB

Secundário: SEC

Superior: ES

(iii) o número do informante

(iv) o número do estímulo selecionado

 

Exemplos:

MAM.EB.09.04.2: Este texto foi escrito por um falante nativo de mambae que frequentava, à altura da recolha de dados, o Ensino Básico. É um informante que frequentava o 9º ano de escolaridade e o seu número de informante é o 4. A sua produção textual corresponde ao estímulo 2.

BUK.SEC.12.14.1: Este texto foi escrito por um falante nativo de bunak que frequentava, à altura da recolha de dados, o Ensino Secundário. É um informante que frequentava o 12º ano de escolaridade e o seu número de informante é o 14. A sua produção textual corresponde ao estímulo 1.

TET.MAK.ES.05.FD.28.2: Este texto foi escrito por um falante que indicou duas línguas maternas, o tétum e o makasae. À altura da recolha de dados, frequentava o 5º ano de um curso do Ensino Superior, na Faculdade de Direito. O seu número de informante é o 28 e a sua produção textual corresponde ao estímulo 2.

 

Perfil dos informantes

Foi solicitado a cada informante o preenchimento de uma ficha individual. Através desta, foram coligidas as seguintes informações (auto-testemunho):

 

 Dados pessoais

idade

sexo

naturalidade

nacionalidade

países em que tenha vivido /quanto tempo

 

Indicações sobre a história linguística individual

língua materna

língua de escolarização

outras línguas não maternas (LNM) conhecidas

hábitos e domínios de uso do português

ano de início do estudo de português

 

Autoavaliação do nível já atingido em português aferidas em relação às seguintes competências

compreensão do escrito

compreensão do oral

interação oral

produção oral

produção escrita